Jacuípe foi o município de AL que mais cresceu em 2017, aponta levantamento

O Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), divulgou, nesta sexta-feira (13), os dados referentes a 2017 do Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios alagoanos. O levantamento, feito em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra que Jacuípe foi a cidade que mais apresentou crescimento de PIB no ano em questão.

De acordo com a Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (Sinc), que é responsável pelo estudo na Seplag, Maceió concentrou 41,31% da participação no PIB do Estado, que em 2017 resultou no montante de R$ 52,843 bilhões. O município é um dos cinco responsáveis pelo agregado total de 57,21% gerado por Alagoas naquele ano.

“Depois de Maceió, que é o primeiro no ranking, o município de Arapiraca, que obteve participação de 7,76%, continuou sendo o segundo com mais representatividade no PIB estadual. Depois dele, temos Marechal Deodoro, com 3,60%, Coruripe, com 3,14%, e Rio Largo, com 1,93% de participação. A ordem segue sendo a mesma da apresentada no PIB de 2016”, explica o gerente de Estatísticas da Seplag, Roberson Leite.

Os cinco municípios que tiveram menor participação no PIB de 2017, segundo Roberson, responderam por cerca de 0,33% do agregado total. Diferentemente do ano de 2016, desta vez Olho d’Água Grande passou a integrar a lista, com participação de 0,08%. Ao lado do município, estão Belém (0,07%), Palestina (0,06%), Pindoba (0,06%) e Mar Vermelho (0,06%).

“Essa baixa representatividade se deve, principalmente, ao fato de que, nesses locais, o setor agropecuário é voltado para subsistência e a indústria é incipiente. Além disso, a dinâmica econômica desses cinco municípios, no geral, baseia-se em grande medida no setor público”, afirma o gerente da Seplag.

Crescimento

Por meio do levantamento, também é possível ter acesso à lista de municípios que tiveram as maiores variações de PIB no ano de 2017. Jacuípe, como dito anteriormente, foi o que mais apresentou variação em relação ao ano de 2016, com 160,27%. Porto de Pedras (95,04%), Passo de Camaragibe (70,55%), Feira Grande (56,20%) e São Brás (52,71%) são os que também foram destaque nesse sentido.

“Um dos fatores que mais refletiu nesse resultado foi o fomento no setor primário, que impactou a maioria dos municípios alagoanos, com aumento na produção das lavouras de coco-da-baía, laranja, cana-de-açúcar, banana, entre outras. A pesca também foi muito importante nesse contexto e se destacou com a produção de tilápia e tambaqui”, complementa Roberson.

Destaques de 2012 a 2017

Com o intuito de aprofundar ainda mais as análises sobre o tema, a Secretaria do Planejamento também disponibilizou, no levantamento, um estudo dos municípios que demonstrou mais crescimento de Produto Interno Bruto no período de 2012 a 2017. De acordo com os dados, Branquinha, Porto de Pedras, Limoeiro de Anadia, Jacuípe e Joaquim Gomes foram os que lideraram o ranking.

Para o superintendente de Produção da Informação e do Conhecimento da Seplag, Thiago Ávila, é importante ressaltar que o desempenho apresentado por cada município contribuiu para que a economia alagoana se aproximasse do patamar ocupado em 2014, anterior à crise que atingiu os estados brasileiros.

“Em 2017, Alagoas é um dos estados que passa a apresentar crescimento. É quando podemos notar, de forma mais incisiva, um processo de retomada da atividade econômica local. O trabalho desenvolvido por cada cidade, nesse contexto, foi muito significativo para que o estado conseguisse, como um todo, se manter em desenvolvimento frente às diversas dificuldades que afetaram o panorama nacional”, reforça Thiago.

Ascom – 13/12/2019